Desenvolvendo habilidades

 

Uma pesquisa recente da University College London (UCL) apontou a existência de algumas habilidades que desenvolvemos ao longo da infância como responsáveis pela saúde e pelo sucesso na fase adulta. De acordo com o estudo, esse aprendizado não está necessariamente ligado aos aspectos comuns da educação do dia a dia, ao conteúdo intelectual que nos é transmitido em casa e na escola. Refere-se às habilidades socioemocionais ou não cognitivas, características pessoais maleáveis que têm a ver com a capacidade de socializar, de realizar projetos, de organizar as emoções, entre outras.

Oito mil pessoas foram examinadas por meio de uma avaliação que focou nos seus estilos de vida. O trabalho concluiu que são cinco as habilidades tidas como a chave para um futuro promissor: estabilidade emocional, determinação, dedicação, sensação de estar no controle e otimismo. Os avaliados com maiores pontuações revelaram um quadro de bem-estar, sem depressão e com sucesso financeiro. Além disso, também apresentaram menores níveis de colesterol e melhores indicadores de glicose e funcionamento cardíaco.

No ambiente de ensino, as habilidades não cognitivas podem ser estimuladas em tarefas que vão além dos métodos convencionais. Em 2018, o Mopi completa 45 anos de história com o olhar já voltado para o futuro. Pensando nisso, uma nova disciplina foi inserida na grade curricular chamada Qualidade de Vida. Uma prática já existente na cultura e nos projetos da escola, mas que agora ganha estrutura e espaço na grade de cada uma das séries, adaptando-se às necessidades e questões vividas por essa geração de alunos.

A disciplina terá o objetivo de explorar as competências sociais e emocionais: capacidade de colaboração e controle das emoções, a empatia, a inteligência emocional, o relacionamento consigo mesmo e com o outro, a boa comunicação, a resolução de problemas e a criatividade.

Para os pequenos, os estímulos serão lúdicos, por meio da interação com bonecos e personagens. Já no Ensino Fundamental I o foco será nas emoções, habilidades e hábitos, utilizando jogos e projetos como mecanismos para fomentar o interesse e a participação dos alunos. Chegando aos mais velhos, além de um trabalho mais aprofundado nas questões emocionais, também serão aguçadas práticas de comunicação e socialização, e um trabalho direcionado às escolhas pessoais e profissionais. Todo o projeto será direcionado por meio de séries (programa online com um número pré-definido de capítulos por temporada, chamados de episódios). Um tipo de mídia que desperta a curiosidade e dialoga perfeitamente com essa faixa etária. Essa será mais uma importante etapa para uma cultura presente no Mopi destinada a formar pessoas comprometidas com suas próprias histórias e com o meio em que vivem.

Fonte: http://bit.ly/2jy40vr